Os espaços em que nos movemos têm uma enorme influência sobre o nosso humor, percepção e mesmo em nossas decisões cotidianas, embora quase nunca estamos conscientes disso.

No entanto, é possível apreciar, por exemplo, grandes quartos com tetos altos promovem a criatividade, quartos frios geram um distanciamento emocional e móveis com bordas arredondadas transmitem confiança e calor.

Por isso, o desenho de interiores é de importância transcendental que vai além da do simples aspecto estético. E, dependendo do mobiliário e decoração que temos escolhido, a nossa casa pode gerar estabilidade emocional ou, pelo contrário, podem desencadear lembranças ruins e roubar pouco a pouco nossa energia.

Psicologia do desenho: A sensação de estar em casa


Nos últimos anos, os Estados Unidos desenvolveram um novo campo chamado Psychology of Design (Psicologia do Desenho) junto com Psicologia das Cores tem foco na análise das respostas emocionais das pessoas para diferentes ambientes e cores, a fim de criar espaços que fazem sentir, de verdade, como em casa.

Neste caso, o desenho emerge a partir de uma série de entrevistas com psicólogos e designers feitas sobre a história do ambiente de clientes. Dessa forma eles conseguem entender as experiências e emoções que fazem parte de seu “lugar ideal”.

Assim, esses profissionais podem recuperar, por exemplo, detalhes cromáticos que nós associamos com bons momentos da nossa infância, ou detectam móveis que nos fazem sentir confortáveis, porque nos recordam de algumas das coisas que amamos.

Psicologia do desenho vai um passo além da estética, não é simplesmente para combinar luzes, formas e cores com a arte, mas para obter que pessoa se identifique imediatamente com o meio ambiente, que experimente a sensação visceral de estar em casa.

Assim, a casa se converte em uma fonte de inspiração, segurança e tranquilidade, um pilar básico para a nossa estabilidade emocional.

Office workstation design

Claro, a Psicologia do desenho também leva em conta o nosso temperamento e personalidade. Na verdade, geralmente as pessoas que redecoram uma casa é porque eles estão passando por um período de transição, ou porque tenham casado, divorciado, ter mudado de emprego ou mudou-se para uma nova cidade.

Portanto, não se trata apenas de remoldurar o passado, mas também olhar para a frente e entender o que o novo “eu” deseja projetar essa nova pessoa em seu lugar.

Móveis para alma


Os Profissionais de Psicologia do Desenho são conscientes de que a decoração inadequada pode nos roubar energia ao reativar lembranças desagradáveis que nos fazem sentir mal.

Na verdade, nossas memórias e impressões das casas ou espaços em que vivemos experiências que tiveram um grande impacto emocional são continuamente reativadas a partir de pequenos detalhes, como um simples cheiro, uma cor ou uma forma determinada.

lembranca-infancia

Do ponto de vista neuropsicológico, o que acontece é que quando codificamos as nossas experiências em certos circuitos neurais da nossa memória, as respostas físicas relacionadas a essas experiências também foram gravadas em nossa psique.

Por isso, os sentimentos associados a essas experiências, positivas ou negativas, são reativados quando estamos em ambientes vagamente semelhantes.

Além disso, foi descoberto que tendemos a reproduzir inconscientemente alguns detalhes de nossos ambientes da infância, como o estilo de decoração de casa em que nós crescemos ou a escolha de alguns tipos de móveis.

O problema é que às vezes esta reprodução desperta experiências negativas que terminam drenando nossa energia, mesmo que não nos demos conta.

Por isso, a principal tarefa da Psicologia do Desenho é identificar experiências positivas e usá-las na decoração da casa para reativar e fazer a pessoa se sentir confortável, proporcionando-lhe estabilidade emocional que necessita.

7 dicas para que sua casa se converta em seu ninho


1. Encontre seu próprio estilo.

Em muitos casos, as pessoas decoram suas casas seguindo os mandamentos da moda, que determinam qual é o estilo de decoração mais chique.

No entanto, eles nunca chegam a se sentir em casa e é provável que inserem elementos que reativem memórias ruins e lhes roubem energia.

Por isso, quando se trata de redecorar a casa, é importante criar seu próprio estilo, se cerque de coisas que realmente goste, que expressam quem você é e que você se sinta confortável.

casa1

2. Confie em seus instintos

Muitas das experiências infantis foram registrados nas profundezas do inconsciente e, normalmente, não temos acesso a elas. No entanto, se manifesta através do que conhecemos como “instinto“.

Portanto, se uma peça lhe causa ótima impressão a primeira vista, essa peça pode desencadear emoções positivas no futuro.

E se você não gosta, não compre só porque está na moda, é provável que acabem reativando memórias ruins.

Neste sentido, um experimento muito interessante realizado na Universidade de Amsterdã revelou que, em matéria de decoração, é quase sempre melhor deixar que decida nosso inconsciente.

Eventualmente, nos sentiremos mais satisfeito com o resultado.

decoracao-energetica

3. Menos é sempre mais

Uma casa com um muitos móveis e decorações pode ser agonizante, tanto para aqueles que vivem nela como para os que a visitam.Neste tipo de casa é difícil descansar e encontrar a paz que deve transmitir uma casa.

De fato, um estudo realizado na Universidade de Princeton revelou que a desordem afeta nossa capacidade de concentração e limita os recursos do nosso cérebro para processar a informação que temos em nosso campo visual.

Por sua vez, gera um aumento de cortisol, o hormônio do estresse. Portanto, a chave para uma casa que gere tranquilidade consiste em apostar em menos móveis e ornamentos, mas que estes tenham uma importância emocional para você.

casa-adobe

4. Escolha as cores certas

As cores têm um enorme impacto sobre os nossos estados emocionais. Na verdade, demonstrou-se que as cores das paredes afetam o apetite e pode afetar profundamente nosso nível de energia.

Enquanto o vermelho e laranja nos dão uma dose extra de energia, cores como o cinza podem ser deprimente, enquanto o azul e o verde são calmantes.

Em todo caso, é mais conveniente pintar cada espaço em cores diferentes, dependendo do uso que você vai dar a eles.

 psicologia-das-cores

5. Elimine os detalhes que você não gosta

É provável ter em casa algumas coisas que desencadeiem memórias negativas ou simplesmente você não gosta.

Talvez seja um velho sofá ou uma mesa, por algum motivo, não gosta mais toda vez que o vê, desejaria que não estivesse ali.

Neste momentos o seu batimento cardíaco é alterado, embora quase não perceba. Seu coração para de bater regularmente e produz um pico, o que, somado ao estresse diário, acaba acumulando e passando a fatura para sua saúde.

Portanto, é melhor que você se livre de todos os itens que tem em casa e ativam constantemente sensações negativas que acabam drenando sua energia.

Assim você está há um passo de criar uma atmosfera mais serena.

memoria-negativa

6. Aproveite o poder da natureza.

A natureza tem um efeito muito benéfico sobre a nossa psique e nossa saúde.

De fato, um estudo muito interessante na Kansas State University descobriram que plantas colocadas nos quartos de pacientes não só os fizeram usar menos analgésicos para a dor, mas também sentiram menos dor e fadiga e tiveram um estado de ânimo mais positivo, acelerando a recuperação.

Para esses benefícios, você não precisa transformar sua casa em uma selva, mas você pode colocar algumas plantas para ajudar a relaxar, transmitindo calma e serenidade.

planta-no-copo

7. Crie boas vibrações

Busque em sua mente recordar de detalhes que lhe fazem sentir bem e desenham um sorriso em seu rosto, esses pequenos detalhes lhe fazem se lembrar de experiências positivas.

Depois de terminar a viagem em sua mente, você pode incorporar esses detalhes em sua casa, seja por meio de estilo, cor ou iluminação.

objetos-para-atrair-energia-positiva1

Fotos: Foto1, Foto2, Foto3, Foto4, Foto5, Foto6, Foto7, Foto8, Foto9 

Fontesrinconpsicologia

McMains, S. & Kastner, S. (2011) Interactions of Top-Down and Bottom-Up Mechanisms in Human Visual Cortex. The Journal of Neuroscience; 31(2): 587-597.
Park, S. & Mattson, R. H. (2009) Randomized clinical trials evaluating therapeutic influences of ornamental indoor plants in hospital rooms on health outcomes of patients recovering from surgery. The Journal of Alternative and Complementary Medicine; 15(9): 975-980.
Dijksterhuis, A., & van Olden, Z. (2006) On the benefits of thinking unconsciously: Unconscious thought increases post-choice satisfaction. Journal of Experimental Social Psychology; 42: 627–631.

Comentários