Peter Gray, Ph.D., professor de pesquisa do Boston College, é autor de Free to learn (Livre para Aprender)  e Psychology. Ele realizou e publicou uma pesquisa em psicologia comparativa, de desenvolvimento e de educação.

Ele fez o seu estudo de graduação na Universidade de Columbia e obteve um Ph.D. em ciências biológicas na Universidade de Rockefeller.

Sua pesquisa e redação atual se concentram principalmente em formas naturais de aprendizagem e o valor dos jogos ao longo da vida das crianças. Seu próprio jogo inclui não somente pesquisa e escrita, mas também ciclismo, caiaque, esqui e jardins de vegetais.

Peter-Gray

Peter Gray, Ph.D., professor de pesquisa do Boston College

E segundo Peter Gray: “A escola é prisão.

Eu me sinto desconfortável dizendo isso porque a escola é uma parte muito importante da minha vida e as vidas de quase todos que eu conheço. Eu, como a maioria das pessoas que conheço, atravessamos o total de 12 anos de escolaridade pública.

Minha mãe ensinou em uma escola pública por vários anos. Minha amada meia-irmã é uma professora pública.

Eu tenho muitos amigos queridos e primos que são professores de escolas públicas. Como posso dizer que essas pessoas boas – que amam crianças e buscam apaixonadamente a tarefa de tentar ajudar as crianças – estão envolvidos em um sistema de aprisionar as crianças?”

Infelizmente não importa o quão desconfortável é o tema, eu tenho que falar a verdade. Podemos usar todos os eufemismos que queremos, mas a verdade literal é que as escolas, como elas geralmente existem nos Estados Unidos e em outros países modernos, são prisões.

escola-prisao-1

Os seres humanos dentro de uma determinada faixa etária (mais comumente 6-16) são obrigados por lei a gastar uma boa parte do seu tempo lá, e as tarefas são aplicadas. Eles não têm nenhuma ou muito pouca voz na formação de regras que devem seguir.

E prisão de acordo com definição é qualquer lugar de confinamento involuntário e restrição da liberdade.

Agora você pode argumentar que as escolas como os conhecemos são boas, ou necessárias; mas você não pode argumentar que eles não são prisões.

Às vezes as pessoas usam a palavra prisão em um sentido metafórico para se referir a qualquer situação em que eles devem seguir regras ou fazer coisas que são desagradáveis.

Nesse espírito, alguns adultos podem se referir a seu local de trabalho como uma prisão, ou mesmo para seu casamento como uma prisão. Mas isso não é um uso literal do termo, porque esses exemplos não envolvem, contenção involuntária. É contra a lei neste e em outros países democráticos forçar alguém a trabalhar em um emprego onde a pessoa não quer trabalhar, ou se casar com alguém que ele ou ela não quer se casar.

Mas não é contra a lei, no entanto, forçar uma criança a ir para a escola; na verdade, é contra a lei não forçar uma criança a ir para a escola. 

Se você é o pai e a criança não quer ir. (Sim, eu sei, alguns pais têm os meios para encontrar escolaridade alternativa ou fornecer educação em casa que seja aceitável tanto para a criança e o Estado, mas não é a norma lna sociedade atual; e as leis em muitos estados e países trabalham fortemente contra tais alternativas.)

Assim, enquanto os empregos e casamentos podem, em alguns casos tristes sentir como prisões, escolas geralmente são prisões.

A pergunta que vale a pena debater é esta: A educação e a consequente prisão de crianças é uma coisa boa ou uma coisa ruim?

escola-prisao

A maioria das pessoas parecem acreditar que é, apesar de tudo, uma coisa boa; mas eu acho que é, apesar de tudo, uma coisa ruim. E esboço a lista do que eu chamo de “7 pecados do nosso sistema de educação forçada”

1. Negação de liberdade com base na idade


No meu sistema de valores, e no endossado por pensadores democráticos, é errado negar qualquer liberdade sem justa causa. Para prender um adulto tem que provar, em um tribunal de direito, que a pessoa cometeu um crime ou é uma séria ameaça para si mesma ou aos outros.

Ainda assim, encarcerar crianças e adolescentes na escola apenas por causa de sua idade é normal. Este é o maior flagrante dos pecados de educação forçada.

escola-prisao

 

2. A promoção de vergonha, por um lado, e arrogância, por outro.


Não é fácil forçar as pessoas a fazer o que eles não querem fazer. Nós não usamos a palmatória, como mestres fizeram no passado, mas criamos um um sistema de controle incessante, classificação e ranking das crianças em comparação com os seus pares.

Nós, assim, batemos e distorcemos os sistemas emocionais humanas de vergonha e orgulho para motivar as crianças a fazer o trabalho. As crianças são treinadas para se sentirem envergonhadas se tiveram um desempenho pior que os seus pares e orgulho se teve um melhor desempenho.

Vergonha leva alguns a abandonar, psicologicamente, o esforço educacional e uns se tornam os palhaços de classe (não muito ruim), ou valentões (ruim), ou abusadores e revendedores (muito ruim) de drogas.

Aqueles que sentem um orgulho excessivo de suas realizações rasas que lhe dão medalhas e honrarias podem tornar-se arrogantes, desdenhosos dos outros que não são tão bem em testes; desdenhoso, portanto,no futuro, dos valores e processos democráticos (e este pode ser o pior efeito de todos).

escola-prisao

3. Interferência no desenvolvimento da cooperação.


O ser humano é uma espécie intensamente social, somos concebidos para a cooperação. As crianças naturalmente querem ajudar os seus amigos, e até mesmo na escola querem encontrar maneiras de fazer isso.

Mas o nosso sistema baseado na competição da classificação trabalha contra a unidade cooperativa. Demasiada ajuda dada por um aluno a outro é desencorajada.

Ajudar os outros pode até prejudicar o ajudante. Como já comentei, a segregação por idade forçada que ocorre na própria escola promove a concorrência e o bullying. Ao longo da história humana, as crianças e adolescentes aprenderam a serem atenciosos e prestativo através de suas interações com as crianças mais jovens. O sistema escolar graduada em idade priva essas tais oportunidades.

escola-prisao

 

4. Interferência com o desenvolvimento da responsabilidade pessoal e auto-direção.


As crianças são biologicamente predispostas a assumir a responsabilidade por sua própria educação. Elas brincam e exploram formas que lhes permitam aprender sobre o mundo físico e social em torno delas.

Elas pensam sobre o seu próprio futuro e tomam medidas para se preparar para isso. Limitando as crianças para a escola e para outras definições dirigida por adultos, e preenchendo seu tempo com tarefas, estamos privando-as das oportunidades e tempo que precisam para assumir tal responsabilidade.

Além disso, a mensagem implícita e às vezes explícita do nosso sistema de escolaridade obrigatório é: “Se você faz o que é dito para fazer na escola, tudo vai funcionar bem para você.

As crianças que compram a ideia de que podem deixar de assumir a responsabilidade por sua própria educação, assumem falsamente que alguém tenha descoberto o que eles precisam saber para se tornar adultos bem sucedidos, assim não precisam pensar nisso.

Se sua vida não funciona tão bem no futuro, eles tomam a posição de vítima: “A minha escola (ou pais ou sociedade) falhou comigo, e é por isso que a minha vida é uma Mer….

escola-prisao

5. Aprendizagem com medo, repugnância e ansiedade.


Para muitos estudantes, a escola gera uma intensa ansiedade associada com a aprendizagem. Os alunos que estão aprendendo a ler e são um pouco mais lento do que o resto da turma se sentem ansiosos sobre a leitura na frente dos outros. Testes geram ansiedade em quase todos os que os leva a sério.

Ameaças de fracasso e de vergonha associada com insuficiência gera enorme ansiedade em alguns. Eu encontrei elevada percentagem de alunos – mesmo em universidades – que sofrem de ansiedade matemática, aparentemente por causa da humilhação que sofreram com a matemática na escola.

O princípio psicológico fundamental é que a ansiedade inibe a aprendizagem. O aprendizado ocorre melhor em um estado de relaxamento, de brincadeiras. Ansiedade inibe a lucidez e claridade de idéias.

A natureza forçada da escolaridade transforma a aprendizagem em trabalho. Você deve fazer o seu trabalho antes de brincar. Assim, aprender, que crianças biologicamente anseiam, torna-se algo a ser evitado sempre que possível.

escola-prisao

6. A inibição do pensamento crítico.


Presumivelmente, um dos grandes objetivos gerais da educação é a promoção do pensamento crítico. Mas apesar de todo o serviço dos educadores na dedicação desse objetivo, a maioria dos estudantes evitam o pensamento crítico na escola.

Eles aprendem que o seu trabalho na escola é obter notas altas em testes e que o pensamento crítico simplesmente desperdiça tempo e atrapalha. Para conseguir uma boa nota, você precisa descobrir o que o professor quer que você diga e, em seguida, dizer isso.

Esse sentimento é expresso inúmeras vezes por estudantes universitários, bem como por estudantes do ensino médio, nas discussões realizadas fora da sala de aula.

E se o professor tentar induzir críticas por classificação, gerará falsas críticas. Os alunos criticarão simplesmente com intuito de serem vistos pelo professor como atuantes e discursivos, eliminando assim a espontaneidade da crítica.

escola-prisao

7. Redução da diversidade de competências, conhecimentos e formas de pensar.


Ao forçar todos os alunos através do mesmo currículo padrão, podemos reduzir as suas oportunidades para seguir caminhos alternativos.

O currículo escolar representa um pequeno subconjunto das habilidades e conhecimentos que são importantes para a nossa sociedade.

Quando as crianças são livres de como eu tenho observado elas tomam caminhos novos, diferentes e imprevisíveis.

Elas desenvolvem interesses apaixonados, trabalhar com afinco para se tornarem especialistas em áreas que lhes fascinam, e, em seguida, encontrar maneiras de ganhar a vida através dos seus interesses e suas motivações, deixando assim de ser um adulto frustado de trabalhar por dinheiro para trabalhar no que ama.

Os alunos forçados através do currículo padrão têm muito menos tempo para perseguir seus próprios interesses, e muitos aprendem que a lição de que seus próprios interesses não contam; o que conta é o que é medido em testes das escolas. Alguns superam isso, mas a grande maioria não.

escola-prisao

Conclusão


Esta lista de “pecados” não é novidade. Muitos professores com quem conversei estão completamente cientes de todos esses efeitos negativos da educação forçada, e muitos trabalham duro para tentar neutralizá-los.

Alguns tentam inserir uma sensação de liberdade e jogam com as amarras do sistema; muitos fazem o que podem para silenciar a vergonha do fracasso e reduzir a ansiedade; uns tentam permitir e promover a cooperação e compaixão entre os alunos, apesar das barreiras contra eles; muitos fazem o que podem para permitir e promover o pensamento crítico.

Mas o sistema funciona contra eles. Pode até ser justo dizer que os professores em nosso sistema escolar não são mais livres para ensinar como querem. (Mas os professores, ao contrário de alunos, são livres para sair, por isso eles não estão na prisão.)

Devo ainda acrescentar que os seres humanos, especialmente os jovens, são notavelmente adaptáveis. Muitos encontram maneiras de superar os sentimentos negativos e focam no positivo, encontram formas de cooperar, de ajudar um ao outro a superar sentimentos de vergonha, combatem as intimidações, pensam criticamente, e passam algum tempo em seus verdadeiros interesses apesar das forças que trabalham contra eles em escola.

Mas para fazer tudo isso e ao mesmo tempo satisfazer as demandas da educação forçada requer um grande esforço, e muitos não conseguem.

Eu listei aqui “sete pecados” de educação forçada. Pode haver mais do que sete. Eu convido você a adicionar mais, na seção de comentários abaixo.

Por último, gostaria de acrescentar que eu não acredito que nós devemos apenas acabar com as escolas e substituí-las por nada. Mas nós, adultos, temos a responsabilidade de fornecer as configurações que permitem que as crianças e jovens façam isso de uma forma mais completa e humana.

Fonte Fotos: FotoCapa, Foto1, Foto2, Foto3, Foto4, Foto5, Foto5, Foto7, Foto8, Foto9, Foto10

Comentários