Antes da fotografia se transformar em “consumismo estético”, muito antes da idade de ouro narcisista do selfie, a fotografia era um meio milagroso que concedia um desejo humano simples e fundamental – o desejo de ser visto, para ser entendido.

Talvez por isso a fotografia, teve um papel particularmente importante para indivíduos e grupos que estavam em grande parte invisíveis para a sociedade. Era esse o papel da fotografia para a comunidade LGBT, junto com as primeiras passeatas de “orgulho gay” vieram para documentar e validar, tornando visível, o amor dos casais gays – o amor reservado não apenas para os amantes famosos como Margaret Mead e Ruth Benedict, Virginia Woolf e Vita Sackville-West, Oscar Wilde e Sir Alfred “Bosie” Douglas, e Gertrude Stein e Alice B. Toklas, mas também experimentada por um grande número de homens e mulheres comuns também.

Isso é precisamente o que o roteirista e diretor francês Sébastien Lifshitz explora em The Invisibles: Vintage Portraits of Love and Pride (Os invisíveis: Retratos antigos de Amor e Orgulho), uma notável coleção de fotografias de arquivo – às vezes pungente, às vezes brincalhão, invariavelmente doce – casais de gays e lésbicas celebram em privado o seu amor no início do século XX.

Cada casal, disse Diane Ackerman na sua “História natural sublime do amor”, começa a redefinir o amor e estes são alguns retratos humildes e humilhante, lindamente humanos e tranquilas redefinições corajosas do amor.

Veja as emotivas fotos, parte de um livro disponível na internet, já inspirou a Sebastien Lifshitz para desenvolver o filme “Les Invisibles”

invisibles_filmposter lesinvisibles Big Picture Invisibles Big Picture Invisibles Big Picture Invisibles lesinvisibles7 lesinvisibles5 2 men in a bath tub LesInvisibles_BAT4.indd lesinvisibles8 Assista também os depoimentos de alguns dos protagonistas destas tocantes histórias…  

Comentários